sexta-feira, outubro 03, 2008

A escala do crescimento emocional ou interior_Parte III

A escala do crescimento emocional ou interior - Parte III

3) Desenvolvendo a consciência.


Agora estamos no meio da escada e o nosso mundo se transforma de novo. Já subimos bastante degraus, mas faltam também bastante degraus para subir.
À medida que o homem começa a compreender-se melhor e ter confiança em si e suas realizações, abre-se a sua mente ao que há de bom e construtivo na vida.
A auto-estima cresce, se fortalece e ele sente-se satisfeito com o próprio desempenho. Compreende que não está só no mundo, mas é parte da humanidade. Ele sabe compartilhar, abraçar outros. Vive num mundo bem diferente do mundo elementar.


4) O indivíduo que se descobriu (ou se encontrou).

Este indivíduo chegou ao topo da escada. Descobriu sua força e riqueza interior. Sente satisfação e harmonia e está totalmente aberto para a vida. Não ignora os aspectos negativos da vida em geral, mas dirige a sua atenção ao que existe de bom e positivo e colabora até onde pode para melhorar a vida de outros, pois sente-se rico e quer retribuir. Sente amor. O amor é na verdade o sentimento positivo mais potente que existe, porque nele não há sombra de medo.

Todos nós projetamos aquilo que sentimos. Para contribuir para a felicidade de outros, você tem de sentir-se feliz. A pessoa infeliz ou descontente não consegue acrescentar nada de positivo na vida de ninguém. Irradiamos e respondemos de acordo com aquilo que sentimos, porque o sentimento é a essência de nossa vida.

Tanto falamos de sentimentos que vocês já compreenderam que os nossos sentimentos são os nossos termômetros que nos indicam a qualidade de nossa vida. Todos temos capacidade de subir os degraus da escada que representa o crescimento emocional e quando nos damos conta que a finalidade é a conquista da harmonia, do amor e da felicidade, sabemos que vale a pena. Que o nosso esforço é nada comparado ao resultado que teremos.

Crescendo, o nosso mundo torna-se cada vez mais amplo e belo. Sabemos que no mundo existe o bem e o mal. A natureza, que tem o equilíbrio como uma de suas leis, quer que tudo continue existindo, mas ela nos dá liberdade de escolher de que mundo queremos fazer parte.

Portanto reflita e escolha:

Que mundo você quer para si e seus filhos ?

Escolhendo o mundo do mal, do ódio e da destruição, você tem de dar-se conta que você atrai o ódio e a destruição para a sua vida e a de seus familiares.

Se bem que às vezes, por algum tempo, pode parecer que o mal esteja vencendo, no fim é sempre o bem que surge como vencedor.

Se o mal vencesse, toda a vida na terra seria extinta. No entanto, desde que a vida na terra surgiu, há não sei quantos bilhões de anos, ela continua sempre a evoluir. Isto é um sinal claro que a evolução, que aumenta o que há de bom e positivo na nossa vida, é lei número um da natureza.

Continuando a evoluir sempre, aumentamos o nosso potencial para a compreensão, o bem e o amor e o nosso mundo torna-se cada vez melhor.

O mundo do bem representa evolução. O mundo do mal representa regressão, estagnação, destruição. O avanço do homem em termos de evolução é vagaroso, porque a natureza que é eterna não tem pressa.

O importante é darmo-nos conta e contribuir, subindo cada vez mais degraus da escada que representa a evolução, atraindo assim o bem e a harmonia para a nossa vida. Para que haja paz no mundo é necessário haver paz dentro de nossa cabeça, paz na nossa vida interior.

Só então é que a paz mundial que tanto almejamos poderá tornar-se uma realidade.


(Autora: Miriam Kohn)

Um comentário:

LFM disse...

Boas.
Confesso que não é muito o meu género, mas uma anedota de vez em quando e uma explicação de um ou outro tema, ajudam a cativar mais audiências.
A única regra é escrever quase todos os dias, só assim, quem cá vem passa a vir sempre.